terça-feira, 27 de dezembro de 2011

"Biritosofando"


Ypiocamente falando, cervejando pelas praias do nosso querido Ceará, encontramos aqui e acolá aldeias de pescadores com ares ainda coloniais. De uma forma camparitiva, essas aldeias parecem um tanto caipirinhas, mas a verdade é que esse povo é dono de grande sabedoria.


No povoado de São João da Barra, por exemplo, encontramos Germana, professora primária muito querida pela criançada e filha do pescador Claudionor, um dos mais antigos do lugar, um verdadeiro “Gin dos Mares”. A teacher tem os olhos de uma cor enigmática, uma mistura de verde menta com anis. Confesso que absinto atraído por olhos assim, mas...



Uisquisito é notar que a nova geração parece não se importar com tradições e coisas assim. Aíce quis que os novos tivessem na pesca artesanal sua principal atividade, mas como? Com internet, celular e outras modernidades dentro de casa?

No bar, uma foto em black&white, como se dizia antigamente, mostra a visita de um empresário inglês tempos atrás. Ele prometeu mundos e fundos ao povo do lugar. Progresso! Mas até hoje Johnnie, como era conhecido, nunca mais voltou. Deve ter continuado caminhando por aí afora, espalhando suas lorotas.

E será que ano que vem vai ser bom para a pesca no local? Mais uma vez a tradição domina. Segundo os mais experientes, se em noite de garoa os sapos pararem de coaxar, é sinal de que o ano vai ser farto. Lá é assim: se o sapupara, tudo bem!

Rebati com nosso Claudionor essa crença. Disse a ele: você vem daí com sua crença, e eu vodicá com a ciência. Acabamos por tomar um trago de boa paciência, afinal, o mar estava tão espumante, e o sol tão brilhante, pra que encrencar? Mas findei com um frisante: “Você fica com sua crença e eu com minha ciência!”. Então ele respondeu apenas: "Hum rum". Enfim, a camaradagem foi a tônica da prosa.

Ao me despedir de todos, Claudionor quis saber:

- Para onde vai agora, meu amigo?


- Ah, vou a um lugarzinho maravilhoso conhecido por “Vale Verde”. Quando voltar vinho lhe contar como foi tudo, respondi, fechando minha visita à aldeia com chave de ouro... E uma mordiscada no bom tira-gosto posto no balcão.

Pedro Altino Farias
altino.frs@gmail.com

Ps.
- Claudionor, Germana e Vale Verde são marcas de cahcaça de Minas;
- Ypióca, Chave de Ouro, Colonial e Sapupara são marcas de cachaça do Ceará.









quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Bom Seria...


Bom seria...

Se os homens olhassem para o céu e compreendessem toda a força da criação.


Bom seria...

Se os homens tivessem nos rios, mares e florestas seu equilíbrio e seu futuro.


Bom seria...

Se os homens enxergassem em seu próximo o próprio Jesus.


Bom seria...

Se os homens guardassem sempre em seus corações o espírito do Natal.


Dentre esses homens estamos nós. Façamos nossa parte e o mundo será outro.


Feliz Natal!!


Pedro Altino Farias
altino.frs@gmail.com

domingo, 18 de dezembro de 2011

Instante Urbano



Galinhas ciscam no terreiro...

Um avião sobrevoa a cidade a uma altura inimaginável,

Tornando mudo o som de suas turbinas.

No relógio, as horas passam mais rápido que os minutos.

Uma sirene! Será ambulância, bombeiro ou polícia?

A notícia na televisão dá conta de mais uma roubalheira nos gabinetes oficiais.

No rádio, muita pregação e pouca ação.

Espero uma ligação que não vem. Alta ansiedade.

Um grupo conversa animadamente numa esquina da vida. Gargalhadas.

Outro avião. Este passou rasgando estridentemente 
os ruídos da cidade.

Recebo uma ligação, mas não é a esperada.

A vida escorre, angustiada, por entre os ponteiros do relógio.

Uma folha seca cai no asfalto estéril. Ninguém percebe 
a morte que ali está.

Dez minutos demoram mais que duas horas.

A ligação não vem...

E as galinhas continuam ciscando no terreiro.


Pedro Altino Farias, em 18/12/2011

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Dancing Day


Luzes, cores e formas num arranjo psicodélico.
Sons destoantes, distantes, próximos.
Corpos em revolução, odores, suores.
Vibração, euforia, gritos de guerra.


Uísque, vodka, doses de campari.
O ontem... Ah! Viagem de volta ao que se quer, ao que se gosta.
O dia seguinte... Dia o que?
O hoje... Dancing day!
Mais sons, mais luzes, a euforia continua!


Passaram-se horas... Está tarde (ou cedo?).
Não há mais revolução e as luzes parecem cansadas também.
Já se pode falar, ouvir, olhar.
Os suores, antes indomáveis, estão agora colados ao corpo,
Que está colado a outro.
Serenamente, ternamente, apaixonadamente.
Sussurros.
Sem que se perceba o dia seguinte já chegou...
Mas ainda é ontem.



Pedro Altino Farias, em 08/12/201

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Encontro no "Buraco"

A turma do “Buraco do Reitor”, boteco do bairro do Benfica, em Fortaleza, reúne-se todo ano para bebemorar o ano que finda e a amizade que une seus freqüentadores.



Com cinqüenta e um anos de existência, o bar foi fundado e comandado inicialmente por Manoel, que passou a responsabilidade da administração a Andrade, seu irmão, há anos.







O primeiro encontro oficial se deu há 31 anos, e foi batizado de EBEM – Encontro dos Bebedores do Manoel. Depois, com Andrade à frente, surgiu o EBAN – Encontro dos Amigos do Andrade, que está na sua 22ª edição. Assim, sábado, 03/11, o pessoal comemorou simultaneamente o 31º EBEM e o 22º EBAN, com a participação de cerca de cinqüenta freqüentadores, inclusive eu.




Muita comida, bebida, música e brincadeira marcou o evento, que teve também a escolha do “Ferradura” (quem come mais) e do “Boneco” (quem apronta mais), sendo eleitos Mazim e Belém respectivamente.



Descrever com mais detalhes o que rolou nessa tarde fica difícil, pois sabemos que cada confraria tem suas particularidades, mas posso garantir que quem participa dessa turma não volta triste para casa.




Pedro Altino Farias


terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Meu nome


Pedro Altino Farias é meu nome completo. O “Pedro” veio do avô materno de minha mãe. “Altino”, herdei do pai dela. Quando garoto, em casa e na escola sempre fui “Pedro”. No entanto, ao mudar de colégio aos treze anos, os novos colegas elegeram o “Altino” como nome de guerra. Por consequência cresci assim, dividido entre o “Pedro” e o “Altino”, contando ainda com eventuais e raros “Pedro Altino”.


Com meus ciclos de amizade se multiplicando a partir da adolescência, o “Altino” prevaleceu sobre o “Pedro” até nossos dias, fazendo, inclusive, que eu sempre assine como “Altino Farias”. Mas tenho sentido falta do “Pedro” ultimamente...





Na empresa troquei meu crachá recentemente. Excluí o “Farias” e adicionei o esquecido “Pedro”. Foi um começo. Em pouco tempo, pessoas que não conheço começaram a me chamar pelo primeiro nome. Achei estranho no início, mas estou me acostumando. “Pedro”, além da referência bíblica, é sonoro, curto e simples, assim como o pescador que celebrizou o nome. Altino é mais clássico, solene, mas também soa bem.


Então, o “Pedro” está oficialmente reabilitado, e agora passo a assinar Pedro Altino Farias, embora todos tenham a liberdade de continuarem a me tratar da forma que preferirem. Abraço a todos... Tanto do Pedro, quanto do Altino.



Pedro Altino Farias
altino.frs@gmail.com


terça-feira, 29 de novembro de 2011

A Sombrinha Amarela



O dia amanheceu nublado, frio. Uma chuva fraca e intermitente teimava em atrapalhar o dia de quem tinha compromissos a dar conta, e ele saiu da cama querendo ficar mais um pouco. Tarefas inadiáveis o esperavam. “Um desperdício botar os pés na rua numa manhã dessas”, disse a si mesmo.

Ela, com mil pensamentos ocupando a mente, nem pensou duas vezes. Embora sua manhã fosse a mesma, acordou muito cedo, arrumou umas coisas em casa e saiu. Sombrinha amarela à mão, ignorava se chovia ou não, queria apenas se desvencilhar o mais depressa possível dos afazeres do dia, e voltar para o calor, a segurança e a quietude do lar.


Coincidência! Os caminhos de ambos se cruzaram em meio à multidão. Chovia mais intensamente, e seus rostos estavam molhados pelos respingos levados pelo vento. Seus sorrisos eram a alegria do inesperado encontro.

Um não sabia do outro há anos, e emoções fortes dominaram esse breve momento, que foi efêmero apenas em relação ao tempo de sua duração, pois somente eles poderiam saber da importância daquele instante. Ou talvez nem eles soubessem...

Depois ela se foi, embrenhando-se no meio de mil guarda chuvas pretos e prédios cinzentos com sua sombrinha amarela. Parecia apressada, ou pelos compromissos que ainda tinha a cumprir, ou para afastar-se rapidamente daquelas lembranças. Enquanto isso, ele a observava olhando por cima dos guarda chuvas, vendo aquela sombrinha amarela se agitando e distanciando, até que a multidão fosse maior que sentimento dos dois.

Arrependimento. Ele já havia experimentado esse sentimento antes, repetido agora. “Por que deixá-la ir assim?”, pensou para, num instante, concluir: “Mas o que poderia fazer?”.

Fez! Saiu andando com velocidade em direção à sombrinha amarela, agora longe e difícil de mirar. Correu. O que faria quando a alcançasse? O que diria? Não tinha a menor ideia. Talvez nem precisasse dizer nada, mas o fato é que a sombrinha amarela se perdeu debaixo de uma chuva já forte e intensa, entre mil guarda chuvas. Vê-la de novo? Quem sabe num dia qualquer, numa outra manhã fria e chuvosa... 


Pedro Atino Farias, em 29/11/2011

domingo, 20 de novembro de 2011

Loucos Somos Nós II




Vagueia pelo centro da cidade. Sua imaginação o transforma em um ser único, diferente, expressivo, fantástico. Para compor o que imagina ser, fantasia-se luxuosamente com o que encontra pela rua.

Enquanto nós nos submetemos ao tempo, nosso personagem o tem a seu inteiro dispor. Portanto, seu tempo é muito mais valioso que o nosso.

O ritmo de sua dança nos faz imaginar a música que soa no interior de seu ser. Bela música, por sinal. Aliás, a dança, associada à indumentária e à paisagem ao redor, faz com que a cena pareça mais um antigo ritual que uma dança qualquer. Um ritual alegre, de celebração de agradecimento pelo bom que se tem.

Mais uma vez eu pergunto: louco? Loucos somos nós, eternamente preocupados com o dia que de amanhã, como o time de futebol que anda mal das pernas, com o trabalho que lhe rouba oportunidades de viver melhor (mesmo sendo ele seu meio de sustentação), com roupas, carros, viagens... Quanta loucura!

Quem sabe um dia aprendo um pouco a viver com este senhor, e o mundo se revele para mim mais simples, mais justo, hospitaleiro, humano... E eu entre no ritmo dessa música imaginária, fazendo do tempo algo sem importância, e da vida, uma festa sem fim...


Altino Farias
altino.frs@gmail.com

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Nosso Grande Problema



A pedofilia é dos crimes mais repulsivos. Crianças indefesas sofrem horrores, na maioria das vezes molestadas por pessoas conhecidas, ficando profundamente marcadas para o resto de suas vidas. Quando essa violência parte de religiosos, o caso ganha dimensões diabólicas. Como uma criança pode ir contra alguém que se esconde atrás de uma batina com toda a força e credibilidade que esta indumentária confere?

Com relação a acontecimentos desta natureza, tem-se dito que pessoas com desvios de comportamento procuram a igreja como meio de estar próximos de quem desejam molestar. Faz sentido. O que não faz sentido é que, uma vez descobertos tais indivíduos, nenhuma providência se tome, permitindo que eles continuem a fazer vítimas por onde andam. Se tomasse as providências cabíveis de imediato, a igreja seria tão vítima quanto as crianças molestadas, mas, omitindo-se, torna-se, no mínimo, conivente com o criminoso.

Em nosso Brasil brasileiro tornou-se lugar comum político roubar e ter comportamentos absolutamente incompatíveis com as funções que exercem. Então faço um paralelo com o caso mencionado anteriormente: seriam ladrões que resolveram entrar na política para ficarem mais próximos da “galinha dos ovos de ouro”?

Do sofisticado esquema do “mensalão” à reles propinazinha de tostões, passando pelo tráfico de influência, utilização de informações privilegiadas em proveito de um grupo, superfaturamentos, ou impunidade criminal pura e simples, tudo estaria dentro do razoável se nossas instituições aplicassem as devidas punições de modo exemplar, no estrito cumprimento da lei. Agindo dessa forma elas demonstrariam que também são vítimas de malfeitores, e contariam com amplo apoio da sociedade para agir corrigindo erros. Mas, ao contrário, nosso Congresso, tribunais (todos), assembléias legislativas e câmaras de vereadores preferem tapar o sol com a peneira e dizer que está tudo em ordem, que se o “fulano de tal” agiu errado, de agora em diante ele vai se comportar bem. Ora bolas!

Coroando essa história de final infeliz (por enquanto), aparece-nos um vereador de Belo Horizonte, que está em seu quarto mandato, desfilando de cuecas em seu gabinete oficial e fazendo filminhos clandestinos de quem o visita. Imaginem quanta safadeza já deve ter acontecido nesse gabinete: suborno, propina, negociatas, coação, favorecimentos, chantagem, orgia sexual... E tudo filmado!

E nossas instituições? Onde estão para defender o interesse público, o bem estar social e fazer justiça?

EIS NOSSO GRANDE PROBLEMA: ELAS TAMBÉM ESTÃO DE CUECAS!!



Altino Farias
altino.frs@gmail.com

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Mania de Limpeza




Tinha mania de limpeza. Tudo dele era muito bem limpo. Qualquer indício de impureza o exasperava. Mas não era em relação a tudo, somente a comidas e bebidas.

Limitava-se a frequentar bares e restaurantes conhecidos. Uísque somente em copo baixo e largo, assim como para cerveja e chope, copo americano e caneca, respectivamente. “Como é que eles lavam o fundo de um copo fininho assim?”, perguntava com ar de nojo, referindo-se aos copos altos e longos do uísque, e às tulipas, no caso de cerveja e chope.

Certa época a família de sua esposa passou por turbulências. O patriarca havia falecido, e não houve consenso imediato em relação à partilha dos bens entre herdeiros. Um cunhado foi o pivô da desavença, por conta disso passaram algum tempo afastados.

Depois de muito vai e vem, enfim, vieram as pazes. Todos sorriam felizes e precipitaram uma reaproximação da família, como numa ânsia de ver efetivamente sacramentada a trégua. Para tanto, combinaram um almoço que reuniria todos numa só mesa. Recomeçaram os problemas.

Um queria num dia; outro, noutro. Almoço ou jantar? Outro impasse. Neste ou naquele restaurante? Ih...! O tal cunhado era osso duro de roer, e sempre queria que sua vontade prevalecesse. Mas nosso protagonista estava firme, e não cedia centímetro sequer. Um novo abismo começou a surgir aos pés da família, ficando uns de um lado, outros, doutro. Até questões já resolvidas começaram a ser revistas.

Diante de caos eminente, a esposa, ciente de seu papel pacificador, conversou com o irmão e com o marido. Um cedeu numa coisa, outro noutra. O marido escolheu dia e hora; o cunhado, o restaurante. Então ficou assim: uma feijoada no almoço de sábado em tal restaurante. O marido relutou, pois o local onde se situava a casa indicada levantava certa suspeita em termos de qualidade, mas acabou cedendo.

E chegou o grande dia. Todos lá, felizes (talvez nem tanto), tomando umas cervejas, conversando e relembrando as coisas boas do falecido. Enquanto isso as crianças brincavam num parquinho. Hora do almoço, pedido feito. Logo que o garçom repousou a feijoada na mesa, nosso maníaco por limpeza observou que restaram alguns pelos num pedaço de couro do suíno. Neste momento seu estômago revirou, a vista escureceu, a saliva jorrava em sua boca... Repugnância, náuseas! Mas ele não podia se dar por vencido diante do oponente, então reuniu suas últimas forças, resgatou uma ironia ácida do fundo do baú, e bradou ao garçom que já se afastava da mesa: “Garçom! Mais uma cerveja gelada e dois barbeadores descartáveis, por favor!



Altino Farias
altino.frs@gmail.com

domingo, 16 de outubro de 2011

Luiziane: Asfalto, Poste e... Votos



Luiziane Lins, prefeita de Fortaleza pelo PT, ficou conhecida da população da cidade pela incompetência administrativa. Sua atuação tem variado num amplo espectro, desde a omissão pura e simples ao malfeito. Com isso a cidade perdeu tempo, beleza, funcionalidade, turistas e riqueza. Enquanto isso Luiziane viajava e era vista com frequência em festas e badalações, sempre com um grande sorriso nos lábios, declarando que a Fortaleza dela estava bela.


Obras e atos controversos, no entanto, não faltaram nesses seus dois mandatos. O sempre adiado Hospital da Mulher, o polêmico (e também interminável) Jardim Japonês, e as duvidosas festas de réveillon são alguns exemplos.


Com a proximidade das eleições vem a quase obrigação de prefeitos fazerem seus sucessores. A prefeita anunciou recentemente que elegeria até um poste para sucedê-la, numa total falta de respeito ao cidadão fortalezense e a si mesma, pois uma afirmativa dessa natureza deveria ser o suficiente para a população desqualificá-la definitivamente para exercer qualquer função pública ou indicar alguém para tal.


Agora, a um ano das eleições municipais, ela resolveu “trabalhar”, realizando recapeamento asfáltico em importantes vias da cidade. Obra vistosa, enche o cidadão de satisfação, pois rodar pelas avenidas livre de buracos e quebradeiras mil é um grato prazer... E rende votos.


As obras de Luiziane podem até ser legais, mas por que realizá-las somente agora? Claramente ela está visando o próximo pleito, sendo imoral, incompatível com o bem administrar do gestor público, protelar obras e melhorias na cidade com o intuito de tirar proveito eleitoral do que é uma obrigação primária do prefeito.


Moralmente Luizinane comete duas faltas. A primeira, pela campanha antecipada que anda fazendo; a segunda, pela utilização de verbas e obras públicas para se promover. Como eu disse, esses atos são faltas morais, mas a grande maioria dos nossos políticos nem sabe o que é isso...





Altino Farias
altino.frs@gmail.com

terça-feira, 4 de outubro de 2011

"Isso" e "Aquilo"


Sob telhas de alumínio vejo o tempo passar, o dia correr. Um após outro. Os ruídos e os odores deste ambiente me remetem à querida Barra Nova, praia singela e de uma beleza virginal. Esta referência à praia não se dá pela semelhança entre os dois lugares, mas exatamente pelo seu oposto. Às vezes me pergunto por que tudo “isso”, quando o que desejo na verdade é “aquilo”. Responsabilidades, eis a resposta.


Mesmo com tudo, hoje sou cem vezes mais irresponsável (ou menos responsável) que a vinte, trinta anos. Quando se chega aos cinqüenta, as coisas vão mudando de feição. O obrigatório torna-se opcional; o chato, nem tanto; o tempo, curto para certas coisas e longo em demasia para outras; o reprovável... Censurar pra que? Não há espaço para minúcias.


Vivo nessa luta do tempo contra o censo. Um dia... Quem sabe... Pego meu violão e saio por aí, bar em bar, de uma praia a outra, sumindo com o sol para ficar com a lua...




Altino Farias









domingo, 25 de setembro de 2011

Banheiros Vistos por Dentro




Aqui, no nosso bom e sofrido Ceará, estamos vivenciando o “Escândalo dos Banheiros”, caso em que verbas públicas para a construção de kits sanitários foram desviadas de seus propósitos, resultando na não execução das obras a que foram destinadas. Os principais envolvidos no caso são um ex-deputado e Presidente (atualmente afastado) do TCE, e seu filho deputado.



O caso está sendo investigado com "todo rigor”, e três servidores de escalões inferiores foram indiciados na esfera da administração pública. Na outra ponta, a privada, estão “presidentes de associações municipais”. “Bois de piranha”, claro. Sabe-se lá quanto de extra estão levando no bolso para encarar a situação no mais absoluto silêncio.



A coisa segue a linha “imoral, porém, legal”. Homens públicos, lidando com verbas públicas, pai e filho fizeram tudo de forma a não se exporem, ficando na retaguarda e na engorda dos seus caixas dois; enquanto “presidentes de associações”, todos, de uma forma ou outra vinculados aos chefões, são indicados como responsáveis pela falcatrua. Não sou criminalista, mas acredito que, a se confirmarem os fatos pela justiça, formação de quadrilha cairá bem ao nobre presidente e ao jovem deputado, além da tipificação da fraude em si.



Deixando de lado os aspectos legais e morais, vamos aos sociais. Há anos construí kits sanitários num município próximo a Fortaleza. Salvo engano foram 147 unidades. A obra foi executada por construtora regularmente estabelecida, da qual eu era o engenheiro responsável, e beneficiou igual número de famílias carentes.



O contrato foi de difícil execução devido à pulverização das unidades a serem construídas, espalhadas por bairros e distritos distantes. Fizemos um planejamento estratégico onde estabelecemos pequenos centros de distribuição de materiais, visto ser quase impossível fazê-la ponto a ponto. Encostado material num desses pontos durante o dia, à noite, por vezes, a própria população beneficiada subtraía parte dele. Em outras palavras, roubava-nos. Mas a empreitada estava contratada e tínhamos que executar, então procuramos as soluções mais adequadas para tocarmos a obra.



O serviço foi concluído no prazo e TODOS os 147 banheiros entregues, processo este acompanhado por assistente social, fiscalização do órgão federal competente e prefeitura local. Se não deu prejuízo, quase empatou, isto devido aos problemas de logística já mencionados.



Quero aqui relatar o que vi durante este período. Famílias morando em lugares isolados, crianças raquíticas, casas de taipa e chão batido, moscas em profusão, panelas vazias, cachorros pulguentos transitando para lá e para cá. Gente sem instrução, sem formação, abandonados à própria sorte. Moças bonitas e... Desdentadas. Garotos alheios ao mundo profissional que lhes aguarda, mulheres e homens envelhecidos precocemente e sem expectativas de dias menos sofridos. Os beneficiados pelos kits sanitários até então faziam suas necessidades no mato, literalmente. Triste. Apesar de tudo isso, por onde andávamos sempre nos ofereciam um cafezinho com um sorriso encabulado... Quando tinham café (o sorriso nunca faltou).



Essa quadrilha roubou dinheiro público da sociedade, isso é fato. Roubaram de forma indireta, disfarçada. Mas desse povo sofrido e carente de tudo, roubaram diretamente, tirando-lhe o benefício concedido pelo Estado de ter um simples banheiro em casa e melhores condições higiênicas. Um pequeno sonho de melhoria, impossível de ser alcançado por meios próprios. Do Estado, por sua vez, roubaram uma parcela significativa de um programa sério de saúde pública, comprometendo seus resultados a médio e longo prazos. Falta gravíssima, dadas as circunstâncias de subsistência da população beneficiada.



Agora pergunto: o que merecem os autores de um crime como esse?









Altino Farias


terça-feira, 20 de setembro de 2011

Eu e Meu Taíba Vip




Este ano participei do 3º Encontro Anual do Planeta Fusca. Decidi ir com meu Buggy Taíba como forma de homenagear esse velho e bom companheiro.




Simples como veio ao mundo, apenas fixei um cartaz em seu pára brisa com dizeres que traduzem nossa amizade, e que reproduzo aqui.







10 ANOS DE COMPANHEIRISMO




170.000KM RODADOS COM VALENTIA




ORIGINALIDADE A TODA PROVA




MIL PORRES




MOMENTOS INESQUECÍVEIS




PAISAGENS DESLUMBRANTES




PASSEIOS DE JERI A TIBAU PELA PRAIA




UM AMIGO INSEPARÁVEL




********







GALERIA DE FOTOS






LAGOINHA (2005)









TRAVESSIA DO JAGUARIBE (2007)






ATOLADO NO TRECHO MOITA/PATOS RUMO A JERI (2008)





FOZ DO RIO CHORÓ - BARRA NOVA (2009)










OPERAÇÃO DE RESTAURO TOTAL (12/2008)





MEUS OUTROS COMPANHEIROS:





OPALA COUPÊ DE LUXO 4 CIL. 1978



PUMA GTS 1980



FUSCA 1300L 78



KADETT GL 1.8 1996


ANTIGOMOBILISMO:
PAIXÃO A TODA VELOCIDADE!!

PEDRO ALTINO FARIAS

quinta-feira, 15 de setembro de 2011




Festa no Interior



Quando todos pensavam que a festa era no interior, descobriu-se que o grande rolo estava se dando mesmo era na Capital Federal. Novais, titular do Turismo, foi inocentado do fato de ter realizado uma orgia num motel de São Luiz (MA) com verbas públicas. Mas inocentado de tão grave falta, por que? Ora, primeiro ele ainda não era ministro, “apenas” deputado federal. Segundo, ele devolveu o dinheiro ao erário e se desculpou, entenderam?


Notem a similaridade com o caso de Jaqueline Roriz. Ela foi flagrada recebendo propina, mas foi inocentada porque o fato se deu antes de assumir uma cadeira na Câmara. Essa semelhança revela o modus operandi que a classe política adotou para tratar os seus. Imaginem se o mesmo critério fosse adotado para toda a população brasileira, visto que todos devem ser iguais perante a lei. Um sem número de “eu não sabia”, “mas isso foi antes de eu ser promovido”, “é tudo intriga dos meus desafetos”, e tal. Isso aqui viraria programa da Globo, uma zorra total!



Além da orgia do Maranhão, Novais pagou sua governanta particular por SETE longos anos com verba pública, e sua mulher usufruiu de motorista particular, também pago pela “viúva”, além das negociatas de praxe no ministério. E na hora de sair o homem ainda esperneou, pode? Pergunto: como é que um fuleragem desse foi nomeado Ministro de Estado? Será que a Presidente não foi devidamente alertada pela agência de informação? Ou será que ela sabia de tudo e fez vista grossa por questões “políticas”? E nós, devemos ficar à mercê dessas conveniências (ou conivências) políticas?




Altino Farias
altino.frs@gmail.com

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Eu Não Sabia de Nada...






A presidência da república precisa contar com um serviço de informação eficiente e leal. O propósito de tal agência é manter o chefe do executivo devidamente informado sobre movimentações políticas, econômicas e sociais, auxiliando o Presidente na boa governança. No Brasil temos a ABIN – Agência Brasileira de Inteligência, que sucedeu o extinto SNI- Serviço Nacional de Informação, que teve sua existência durante o regime dos generais.




É legítimo e necessário que o Presidente mantenha o setor de informação e inteligência sob seu comando, sempre observando os limites impostos por lei.




Causa-me estranheza que simples repórteres, munidos apenas de bons contatos, câmera e microfone, consigam trazer à tona casos os mais escabrosos, onde figuram como protagonistas grandes personalidades da nossa República, e a ABIN, com todas as prerrogativas que uma agência como ela tem, não chegue a um centésimo do resultado obtido pela imprensa livre.




Nossos repórteres, por mais competentes, obstinados, perspicazes e atuantes que sejam, ficam bem longe das condições especiais que a ABIN desfruta para obter informações. Escuta telefônica e quebra de sigilos bancários autorizados pela justiça, dentre outras, são verdadeiras armas no ofício de investigar. E tudo dentro da lei.




Pois bem, nosso ex-presidente Lula, a cada novo escândalo – e não foram poucos – vinha a público declarar que de nada sabia. Agora a história se repete com sua pupila, Dilma, que se mostrou surpresa com a revelação feita pela imprensa de que José Dirceu, sob as sombras, comanda um verdadeiro governo paralelo a partir de um quarto de hotel. Oh!




Será verdade o que Lula e Dilma alegam? Será que nada sabiam de fatos tão relevantes como o mensalão e o balcão de negócios instalado na Casa Civil? Se eles não sabiam de fato, há três possibilidades: ou a ABIN pisou na bola e não tomou conhecimento desses casos, ou se omitiu, ou foi conivente com os infratores e corruptos. Qual das três a pior? Em se tratando de ABIN, todas, pois, de uma forma ou outra, houve falha grave.




Movimentos dessa magnitude deveriam, obrigatoriamente, ser detectados pela inteligência que assessora a presidência. Dirceu, depois de cassado, deveria ter sido monitorado diuturnamente, mesmo sendo um homem do partido que está no poder, pois aqui se fala em segurança nacional e não de futricas entre companheiros. O povo brasileiro quer que a legalidade prevaleça, não importando se Fulano ou Sicrano é ou não da “base aliada”.




Mas há ainda a possibilidade de nossos ilustres presidentes terem se omitido, ou mesmo faltado com a verdade, permitindo, com pleno conhecimento, que bacanais rolassem nos gabinetes oficiais de Brasília. Mais grave ainda que uma pisada de bola da Agência.




Não há vislumbre de que verdade desnude esses casos. Então continuamos assim, com uma agência de inteligência que leva dribles consecutivos da imprensa livre; presidentes que tomam conhecimento de fatos graves como um cidadão comum, ou seja, pelos jornais; e nós, brasileiros, a ver o mesmo filme mais uma vez, cujo título é “Eu não sabia de nada...”.




Altino Farias
altino.frs@gmail.com

domingo, 11 de setembro de 2011

Passei uns tempos sem falar em política nem atualidades. Nesse período preenchi o espaço deste blog apenas com crônicas despretensiosas de minha lavra, mas, como o mundo continua girando e os fatos se sucedem, senti aquele impulso de voltar a tecer comentários pessoais sobre nosso momento, e fazer valer o título do blog: Opinião em Perspectiva. Portanto, de ora em diante crônicas se alternarão com artigos de opinião, tornando o “Opinião” mais interativo e dinâmico. Acesse, leia, comente.





Sombras



Dilma foi eleita em pleito democrático, porém, conforme já havia comentado aqui mesmo, embora a votação em si tenha transcorrido em clima de normalidade, toda sua campanha eleitoral foi viciada e recheada de irregularidades. A maioria cometida pelo ex-presidente Lula, que usou e abusou da máquina federal para fazer de Dilma uma candidata viável. Ou seja, a campanha foi totalmente desigual, anti-democrática.

Eleita e empossada, ela iniciou seu mandato com ministros herdados diretamente do governo Lula, outros indicados por ele, mais alguns pela “base aliada”, e uns poucos por ela mesma. E começou a governar, dando sinais de ter vida própria.


Iniciou revendo o orçamento, orientado ações de ministros, lançando programas pomposos. Rechaçou a tentativa de controle da imprensa e reposicionou o Brasil no cenário mundial em termos de política internacional. Palmas!



Neste meio tempo, a imprensa, na sua incansável busca por casos e fatos, seguiu indícios de irregularidades no Ministério dos Transportes. Coisa antiga. O que veio à tona derrubou o ministro e mais outros tantos. Depois foi a vez da Agricultura. Jobim, da Defesa, saiu do governo falando mal dos colegas, mas pelo menos não se viu roubo em sua pasta. Também pudera. A caserna está com os soldos defasados e as Forças Armadas mais desarmadas que nunca. Roubar o que? A bengala de um cego?





Na seqüência tivemos o escândalo no Turismo. Parece brincadeira, mas tudo isso se deu em nada mais, nada menos que sete, oito meses de governo, que por sinal, ainda não conseguiu engatar a primeira marcha e dar uma boa arrancada.

Mais recentemente revelou-se através da imprensa (sempre ela), que o cassado José Dirceu comanda pessoalmente muitos dos colaboradores diretos de Dilma. Atentemos bem para a gravidade da situação. Pelo que se viu, Dirceu, que está com os direitos políticos cassados pelo que já aprontou, articula com ministros, presidentes de estatais, líderes parlamentares, todos homens investidos numa função pública, quer por voto direto, quer por nomeação do executivo. Homens que deveriam defender os interesses da sociedade estão conspirando contra o Brasil, procurando de todos as formas garantir vantagens para si próprios, encobertos pelas sombras sob as quais Dirceu se locomove tão bem.




Que acendam as luzes, os refletores. Que o Brasil todo se ilumine. Que consiga sair dessa imensa e eterna sombra, e se deixe brilhar como uma Nação justa social, política e criminalmente falando. Aos Corruptos, punição exemplar! E, uma vez vencidos, devemos cuidar para que jamais sejam nocivos ao País novamente.





Altino Farias
altino.frs@gmail.com

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Eu Quero!


Eu quero beber num botequim...

Que tenha um balcão nem grande nem pequeno, mas simples e acolhedor, onde a gente possa beber junto e rir das coisas da vida por horas a fio.

Eu quero beber num botequim...

Que tenha tamboretes toscos para sentarmos, mas tão aconchegantes que a gente nem sinta o tempo passar.

Eu quero beber num botequim...

Onde o dono do bar beba conosco, participe de nossas brincadeiras e que, de vez em quando, se embriague também.

Eu quero beber num botequim...

Em que a falta de tira-gosto não faça falta, porque cada um traz um pouco de casa, dividindo com os outros sua alegria de estar ali.

Eu quero beber num botequim...

Onde eu tenha a certeza de que o próximo a chegar é um amigo, e o próximo também, e próximo e o próximo.

Eu quero beber num botequim...

Onde se discorde de política, futebol e religião o tempo todo; mas que, no fim das contas, política se transforme em amizade, futebol em cachaça e religião em solidariedade.

Raimundo dos Queijos, Chaguinha, Esquina, Bigode, Pedim...
Balcão, tamborete, cachaça e bebim...
Bebo também no Buraco do Reitor,
Em todos, amizade, verdadeiramente, quer dizer amor.



Altino Farias, em 06/07/2011
altino.frs@gmail.com

terça-feira, 9 de agosto de 2011

"A Vida Não se Resume em Festivais" - Um Manifesto Pela Amizade



Vaiado num festival de MPB dos anos 60, Geraldo Vandré cunhou uma frase que ficaria famosa: “A vida não se resume em festivais”.

Um festival requer preparação, disciplina, parcerias, perfeição; e culmina com uns se sobressaindo sobre outros, até que, no final, um único grande vencedor é ovacionado pelo público ou pela crítica. Ou pelos dois, num caso mais raro. Mas será mesmo que aquele é o melhor?

Na vida, detalhes bobos talvez façam a diferença, enquanto grandes acontecimentos podem não ter importância alguma. Saborear uma fruta suculenta, admirar o canto dos pássaros, uma cortesia de um desconhecido na rua, um objeto de estimação que traz lembranças boas, um dia em família, um jantar especial, um olhar sugestivo, um por do sol, um abraço... Pequenas coisas. Banais até. Mas que podem ser tão espetaculares quanto um grande festival.

Por que falar em festivais se o assunto é futebol? É que o futebol é um grande festival. Empolga multidões, leva a paixões, cega. Um campeonato nada mais é que um festival de times que se preparam com afinco para, na arena, provar quem é o melhor, o mais perfeito. Ou menos imperfeito. Enquanto a bola rola, torcedores se digladiam nas arquibancadas, colegas se insultam nas escolas, amigos discutem infrutiferamente nos bares. Torcidas brigam entre si, brincadeiras são tidas como agressão, amizades se abalam. A paixão pelo grande festival do futebol tem feito muitas vítimas mundo afora.

A certo momento nos damos conta que “A vida não se resume em festivais”. Será que essa percepção veio tarde demais para um mau feito? Acredito que não, que nunca é muito tarde, tudo tem seu tempo. Neste tempo os homens entenderão que enquanto os festivais acontecem, a vida segue linda, colorida, maravilhosa e cheia de amor, basta que tirem os olhos do palco para enxergarem que existe um mundo possível à sua volta... E muitos amigos.

Acreditem, “A vida não se resume em festivais”. A vida deve ser doce e simples, apesar das dificuldades que enfrentamos no dia a dia. Amargura? Rancor? Nem pensar! Festivais são bonitos de se ver, mas seus bastidores... Humm, nem tanto. Portanto, tiremos nossos olhos do palco vez em quando, lembrando sempre da frase de Vandré. Depois é só seguir caminhando e cantando...


Altino Farias
altino.frs@gmail.com

domingo, 31 de julho de 2011

O Eletricista


Gosto de carros. Gosto, não, sou apaixonado por eles, especialmente os nacionais dos anos 60/70. Dessa época todos me atraem. Dos atuais, uns poucos, pois a maioria segue “tendências” que os tornam sem personalidade.

A meio tempo entre o “antes” e o “agora”, tive o Opala Diplomata como sonho de consumo. Acabei adquirindo um usado, ano 1987, quatro portas, verde metálico. O carro era completo e sem defeitos aparentes, porém, vez por outra sua bateria descarregava totalmente, ao ponto de fazê-lo parar por falta de corrente elétrica. O problema se tornou verdadeiro mistério, visto que ninguém conseguiu descobrir sua origem.

Embora fosse um sábado de carnaval, eu havia agendado alguns compromissos profissionais com um colega. No roteiro duas cidades, ambas a cerca de 70 quilômetros da Capital. Na primeira fomos a um distrito, num percurso de 15 quilômetros para ida, e tanto igual para volta à sede do município.

Durante a volta, bem a meio caminho, numa estradinha carroçável, com o sol das 12:30 horas a maltratar nossos miolos, a luz alerta da bateria acendeu no painel. Gelei! Continuei em frente, agora pisando mais forte no acelerador, tentando, pelo menos, chegar à cidade, onde poderia obter ajuda. Tentativa frustrada, pois o “possante” morreu no meio do nada.

Ainda restava um pouco de carga na bateria, e pedi auxílio a uns caboclos que passavam. Eles ajudaram a empurrar o carro, que pegou no tranco, apagando-se de novo bem na entrada da cidade. “Agora estou tranqüilo”, pensei, com relação a um socorro elétrico. Perguntamos a um e outro, porém, como era sábado de carnaval, nenhum profissional foi encontrado na ativa, todos estavam na gandaia momina.

Enfim, apareceu um não sei de onde. Assustado e vendo as coisas complicarem, perguntei logo se havia possibilidade do Diplomata ser guardado na oficina dele, caso uma solução imediata não fosse possível. “Dá não, doutor. Minha oficina é pequena, é de bicicleta!”, respondeu o curioso que fazia as vezes de eletricista de automóveis. Perdi a fé no homem, e a esperança de sair dali dirigindo meu carro, mas como ele se mostrava muito prestativo, dei-lhe mais um tempo, afinal era carnaval e minha programação já havia ido mesmo para a lata do lixo.

Sem mais esperar por notícia boa, o “eletricista” emerge a cabeça de dentro do compartimento do motor com um fio solto na mão, dizendo: “Tá aqui o defeito!!”. E pegou um canivete, descascou a ponta do fio, soltou uma porca no alternador retirando um terminal partido, enroscou o fio lá, e apertou a porca. Depois disse animado: “Agora vamos fazer uma chupeta!”, acenando para que um amigo dele encostasse outro carro no meu, com o fim de fornecer a carga necessária para o motor de partida virar.

Sucesso! O motor pegou de primeira, com o alternador gerando a energia necessária para recarga da bateria. Conseguimos ainda cumprir parte do programado, terminando a tarde com uma cerveja gelada à beira das estrada e boas gargalhadas, lembrando a incrível história do mecânico de bicicleta do interior que resolveu o mistério que nenhum eletricista de grife da capital havia conseguido.

Altino Farias
altino.frs@gmail.com

domingo, 24 de julho de 2011

A Casa Aceita!


Potão era seu apelido. Imaginem a figura: mulato, tronco largo, estatura mediana, pouca instrução. Ainda falaremos dele aqui.

Dois casais amigos foram passar um fim de semana na casa de praia de um deles. Era um programa que estavam acostumados a fazer, de modo que os preparativos já seguiam certo modelo: carnes, carvão para churrasco, gelo, guloseimas para as crianças, queijos, defumados e... Cerveja, claro.

Determinado fim de semana, porém, foi diferente, pois o anfitrião convidou outro casal além dos amigos de sempre. O cara era um parceiro de negócios e havia certa cerimônia para recebê-lo. Notavam-se cuidados especiais com a casa, o arranjo da mesa, uma bela rede armada na varanda. Coisas que não se via no cotidiano. O casal amigo estava ali para dar um apoio, fosse nas conversas, no servir, ou na companhia, simplesmente.

Perto do meio dia do domingo os convidados chegaram. Ele, meio sério e sisudo, logo abriu um sorriso. “Melhor não descuidar, manter alguma distância e não tratar com intimidades”, pensou o anfitrião. Quanto à mulher, o conceito era outro. Metida a chique, maquiada, penteada e toda “não me toques”, era o que se chama hoje de perua.

O almoço estava em preparo. Peixada. Ainda demoraria um tanto, por isso o anfitrião pediu aos amigos que fossem até uma barraca com os convidados para que eles conhecessem a praia e tomassem uma cerveja, enquanto ele se ocuparia ainda com detalhes do almoço. Assim foi feito.

Ao chegarem na barraca de costume, Potão, cunhado do dono, estava fazendo as vezes de garçom. Pediram uma cerveja, a qual foi prontamente servida, acondicionada num porta cerveja de isopor. A mulher retirou a garrafa do suporte apenas o suficiente para ver o rótulo. Ao constatar que a bebida era de marca diferente da sua predileta, exclamou alto e em tom grosseiro: “Essa cerveja você pode levar de volta que eu não bebo!”. Em sua santa ingenuidade, Potão emendou, para horror da perua que estava bem ao seu lado: “A senhora não quer não, é? Pois a casa aceita!”, e tomou a garrafa inteirinha direto no gargalho e num só gole!


Altino Farias
altino.frs@gmail.com

domingo, 10 de julho de 2011

Liberal Demais



Com o senho franzido, um amigo confidenciava a outro o comportamento rebelde e excessivamente liberal de suas duas filhas adolescentes. Ele aproveitava que a turma ainda não havia chegado para o encontro habitual no bar para expor suas preocupações ao parceiro de mesa.

Segundo o confidente, conservador por natureza, suas filhas abusavam da boa vontade dele. Saíam sem dar satisfações, frequentemente dormiam na casa de amigas, relegavam os estudos a terceiro plano, e, cúmulo da heresia, insistiam em namorar no quarto... Com a porta encostada.

O amigo ouvinte, liberal por convicção (beirando o anarquismo), em tudo tentava minimizar as preocupações externadas pelo confidente. Dizia que também tinha duas filhas e que nada disso o preocupava. A cada posição liberal assumida, o outro esperneava, demonstrando grande indignação.

Várias situações preocupantes foram expostas, todas combatidas sob o argumento da liberalidade e confiança. Então, chegaram ao clímax da discussão: o direito das filhas namorarem no quarto. O liberal disse: “Lá em casa não tem isso, não. O namoradinho de qualquer uma das duas pode vir a qualquer hora e entrar direto para o quarto delas, com direito a fechar a porta. Confio nas minhas filhas”. Ouvindo isso, o outro quase endoida de vez.

Depois de meia hora de acirradas argumentações de lado a lado, e algumas doses, o conservador, já angustiado e exasperado diante de tanta moleza, perguntou: “E qual é a idade de suas filhas?”, ao que o líbero-anarquista respondeu: “Uma tem cinco e a outra, três...”.


Altino Farias
altino.frs@gmail.com

domingo, 3 de julho de 2011

Ciclos



Vivemos em ciclos, e de ciclo em ciclo vamos completando nosso aprendizado de vida, tanto no campo material, quanto no espiritual. Infância, adolescência, estudos, dificuldades, relacionamentos, casamento(s), filhos... Nesta fase de formação e amadurecimento, quando fechamos um ciclo abrem-se muitos outros, numa progressão geométrica, e a vida da gente vai aos poucos se tornando mais e mais complexa, cheia de alternativas, responsabilidades, e compensações também.

Depois, na época do nosso ocaso, mais ciclos são fechados que abertos. Amigos que se vão para sempre, entes queridos idem, aposentadoria, limitações físicas. Nosso espírito luta, mas o corpo não obedece, e, aos poucos, vamos nos resumindo, fechando ciclos, e fechando, e fechando, sem mais abrir novos.

Em Janeiro de 2010 fechei um importante ciclo em minha vida com a formatura da Ana Maria, minha filha Aninha, em Arquitetura e Urbanismo. Primeiro a cerimônia de colação de grau, depois a missa de Ação de Graças e, por fim, a festa dos concludentes. Em cada uma dessas ocasiões, muita emoção e um filminho passando em minha cabeça o tempo todo: a morte prematura de meu pai, também arquiteto; meu casamento ainda muito jovem; a formação da família; a luta diária para proporcionar uma boa educação aos filhos; seus primeiros namoricos; o momento em que eles decidiram suas carreiras... Um longo caminho. Muitos ciclos fechados e outros tantos se abrindo. Continuamente.

No início de março do mesmo ano, o Instituto dos Arquitetos do Brasil – Seção Ceará prestou homenagem a todos os ex-presidentes da entidade. Ficamos todos muito sensibilizados, pois como meu pai, Armando Farias, foi um dos fundadores do Instituto, recebeu uma atenção especial por parte dos arquitetos presentes à solenidade.



Ver minha filha representando o avô ao receber a justa homenagem, foi como se um ciclo, repentinamente deixado aberto por ele, se fechasse, e o tempo, parado desde 1974, ano de sua morte, começasse a contar novamente.

Agora temos o caçula, Altino José, nosso Tininho, concluindo seu curso de Engenharia Mecânica em breve. Tininho, cheio de idéias e sonhos assim como eu, já vive em meio a mil ciclos abertos, e outros mil se abrirão à sua frente de uma só vez quando concluir o curso... E mais um se fechará para mim, agora com um gosto de missão cumprida e vitória na educação dos filhos, única herança a deixar.

Antevejo viver as mesmas emoções quando da formatura de Aninha, o mesmo filme passando na mente. Às vezes rápido, às vezes lentamente. Dificuldades, incertezas, lutas, alegrias, união, conquistas.

Aos dois, desejamos sucesso em suas vidas adultas e profissionais. Que muitos ciclos se abram, e que eles saibam aproveitar o que cada abertura dessa pode trazer de bom, de sábio. Ficaremos na primeira fila da arquibancada torcendo. Sempre.

Quanto a nós, em plena maturidade, ainda passaremos algum tempo abrindo mais ciclos que fechando. Uns se sobrepondo uns aos outros num movimento frenético, pois assim é a vida... Até que tudo comece a seguir em câmara lenta e último deles se feche para sempre.





Altino Farias




sábado, 25 de junho de 2011

E Viva a República!


Essa um amigo me contou numa mesa de bar. Disse que o caso ocorrera com um amigo, mas tenho cá minhas dúvidas, acredito que ele mesmo pode ter sido o personagem central desta história.

O fato é que o cara chegou num bar para o happy hour da sexta acompanhado de sua esposa, que fora apenas deixá-lo. Como ainda não havia ninguém da turma, ela ficou um pouco a lhe fazer companhia. Nesse meio tempo uma mulher, passando pelo mesa do casal, cumprimentou-o. “Uma antiga colega de colégio”, explicou ele à esposa, que logo depois foi embora.

Passou da hora combinada e os amigos, nada! Sozinho, olha daqui, sorri dali; resolveu sentar-se à mesa da antiga colega. Drinks, lembranças do passado, prestações de contas com o presente. Cada um fez um rápido retrospecto de suas vidas desde aqueles tempos até a atualidade. Sem se notarem estavam a trocar carícias e... Eis que surge um beijo!

Ocorre que a mulher dele retornou ao bar por um motivo qualquer, e deparou-se com os dois bem na hora do ósculo, num tremendo azar da dupla de colegas. A esposa, enfurecida, perguntou quase aos gritos: “Fulano, você pode me explicar o que é isso?”. Nosso protagonista, um coroa boa praça, pacato, gentil, e muito espirituoso (além de azarado), levantou-se energicamente, ergueu a mão direita com o punho cerrado e bradou: “E viva a república!”.

“E viva a Republica!?”, quis saber eu a esta altura da narrativa, “Mas o que ele quis dizer com isso?”, perguntei, ingênuo. “E o que ele poderia dizer de melhor numa situação dessas?”, respondeu meu amigo candidamente. Depois, pensando sozinho, conclui: “É, faz sentido... Uma boa resposta... Talvez a melhor de todas!”


Altino Farias
altino.frs@gmail.com

terça-feira, 14 de junho de 2011

A Itália em 15 Dias




Vou aqui fazer um relato sobre os quinze dias de férias que passei em viagem à Itália em companhia de Gorette, minha esposa. A narração seguirá a cronologia dos dias, e o enfoque dado será, prioritariamente, o da logística, de modo que possa conter informações úteis a todos.

De antemão agradeço ao meu irmão mais velho, Fábio Farias, que, como comandante do Airbus A340, foi um grande incentivador dessa empreitada, inclusive viabilizando o trecho aéreo através das condições especiais de preços de passagens às quais tem direito na companhia. Valeu!

Percorremos seis cidades, tendo quatro delas como sede: a cosmopolita Milão, a apaixonante Florença, a monumental Roma e a bucólica Arona. Além delas, estivemos na curiosa Veneza, e na sossegada Locarno, esta situada no sul da Suíça.

Alguns Valores serão mencionados como referência, e sempre em euros.


Dia 19/03, sábado:

Nossa empreitada se iniciou dia 19 de março, sábado. Como o vôo a Milão partiria de Guarulhos, São Paulo, embarcamos em Fortaleza num vôo às 8 da manhã, chegando ao destino três horas depois. O embarque a Milão se daria somente às 22 horas, então fomos a um hotel próximo ao aeroporto para descansar à tarde. Vários hotéis da cidade disponibilizam vans e ônibus a cada meia hora para fazer o translado de quem está em trânsito, facilitando bastante a vida dos viajantes.

De volta ao aeroporto, encontramos o Fábio, que seria um dos comandantes do vôo. Como o tempo de duração da viagem é de cerca de 12 horas, o Airbus da TAM decola com duas tripulações completas, que se revezam a cada seis horas.

Embarcamos no horário previsto e a viagem transcorreu sem sobressaltos. A convite do comandante, passei boa parte do vôo na cabine, sobrevoando todo o litoral brasileiro, passando por Fernando de Noronha e rumando para a Europa sobre o Atlântico. Como era noite de lua cheia todo o visual ficou especial. Entre os destaques dessa parte da viagem posso citar o visual estranho do “Fogo de Santelmo”, e a ultrapassam de outro avião que trafegava na mesma aerovia e sentido, porém num nível mais acima. Tanto um quanto outro proporcionou um show visual.


Dia 20/03, domingo:

Desembarcamos em Milão no domingo, e quatro horas à frente do nosso fuso-horário. Ao final do vôo a comissária de bordo transmitiu ao Fábio vários cumprimentos de passageiros pelo excelente pouso, suave e sem trancos. De lá fomos direto a Arona, cidade turística situada a cerca de 70 quilômetros ao norte de Milão. Às margens do Lago Maggiore, Arona é uma cidadezinha charmosa e bucólica. Fizemos um passeio a pé pelas proximidades, e um jantar fechou o longo dia.


Dia 21/03, segunda-feira:

Pegamos um trem para Milão num percurso de cerca de uma hora de viagem. O Fábio nos acompanhou dando as primeiras coordenadas de como são as coisas na Itália. Dicas valiosas. Chegando, fomos ao hotel, que fica próximo à estação Pasteur do metrô. Depois, à Catedral Duomo e à galeria Vittorio Emanuele, que fica vizinho à Catedral e abriga lojas elegantes. Neste ponto Fábio nos deixou, pois ao fim da tarde já embarcaria de volta ao Brasil, e ficamos por nossa conta e risco.




Passei então a procurar o Teatro Alla Scala. Rodei as adjacências munido de mapa e, estreando meu italiano, fui perguntando aqui e ali pela localização do teatro. Ora entendia o que falavam, ora não. Ora me entendiam, ora não. Depois de muito rodar encontrei, enfim, o teatro, que fica exatamente no ponto de onde partimos, em frente a uma praça que leva o mesmo nome do teatro, e ao lado da galeria Vittorio Emanuele.




Depois desse primeiro “mico” rodamos, sempre orientados pelo mapa, por pontos de destaque, até chegarmos à Corso Venezia/Buenos Aires, avenida repleta de lojas de confecção e artigos de couro. Entre uma e outra passamos em frente ao Museu de História Natural e à Villa Comunale. Esticamos um pouco a programação e encerramos a jornada do dia com um lanche, nos recolhendo ao hotel.


Dia 22/03, terça-feira:

Tiramos a terça para visitar museus. Fomos ao de História Natural ($ 3,00 cada) e em seguida ao Castelo Sforzesco, onde funcionam museus de variados temas ($ 6,00 cada com direito a visitar todos). Essas visitas nos consumiram todo o dia, mas permitiram ainda um passeio na Via Dante, que quase une o castelo à Catedral. Cheia de lojas chiques, a Via Dante é só charme, e aproveitamos o fim de tarde para sentar numa calçada para apreciar o movimento da rua tomando um vinho e saboreando uma massa.


Dia 23/03, quarta-feira:

Na quarta acordamos cedo, tomamos café no hotel e pegamos o metrô rumo à estação de trens. Na Central embarcamos com destino a Veneza ($ 31,00 cada), onde passaríamos o dia. Perdemos um pouco de tempo, pois a viagem dura duas horas e meia, fazendo com que chegássemos a Veneza um pouco tarde. Mas aqui para nós, mesmo sabendo da duração do percurso, acredito que não partiríamos mais cedo do que conseguimos.

Em Veneza fomos de barco direto para a Basílica e Praça de São Marcos. Depois fomos voltando à estação, ponteando a cidade no que tinha de interessante. Chato que os prédios que ladeiam a Ponte dos Suspiros estavam em manutenção, com um grande tecido plástico azul protegendo-os. Com isso a ponte ficou visualmente espremida entre esses dois volumes, quase sumindo.




O último trem partiria às 18:20hs, e não podíamos perdê-lo de forma alguma, fato que nos fez ter sempre um cuidado com o cronômetro. O passeio da gôndola ficou para outra oportunidade, pois o fator tempo unido ao fator custo ($ 150,00) tornou o programa desinteressante. Particularmente acho o maior mico passear naquele negócio, mas...

Perdemo-nos e achamo-nos várias vezes durante esse percurso, pois é impossível se andar numa direção reta na cidade, pois o caminho é sempre entrecortado por passarelas e canais, porém conseguimos chegar à estação a tempo. Ainda fizemos um lanche antes de partir de volta, quando comemos sanduíches com uma garrafa de vinho. Interessante assinalar que é comum tratorias, osterias, pasticerias e restaurantes disporem de mesas na calçada, ocupando o espaço público. Mas saibam que para usufruir deste privilégio cada freguês paga cerca de dois euros ou preços majorados. No caso do nosso lanche cada “panini” saiu a $ 3,00, e a garrafa de vinho a $ 8,00. Sentados os valores seriam $ 5,00 e $ 10,00, respectivamente. Comemos sentados nas escadarias da Central, como tantos outros turistas.




Chegamos ao hotel em Milão por volta das 22hs, cansados, porém satisfeitos com a empreitada. Cedo partiríamos para Florença, então evitamos programa esticado.


Dia 24 a 26/03, de quinta-feira a sábado:

Na quinta partimos com nossas mochilas para Florença. A viagem foi tranqüila, com 1:45hs de duração ($ 53,00 cada). Como nas outras, o trem era confortável, pontual e rápido. Desembarcamos na estação central, denominada de Santa Maria Novela. Ela fica a cerca de trezentos metros da Catedral, num percurso tranqüilo e prazeroso. Aqui vai uma dica. Se levar pouco peso a mochila é ideal, pois, carregada às costas, nos confere muita agilidade. Mas se o peso for maior, melhor mesmo é a mala com rodízios. Particularmente prefiro as mochilas, mas a mala é bem prática quando mais pesada.

Nosso hotel se situava a uns trinta metros da Catedral, numa transversal. Logo que chegamos passei um susto, pois o número do endereço do hotel que constava na reserva, 13, simplesmente não existia na rua indicada. De novo meu “fluente” italiano nos salvou, e fui informado que a numeração da rua era desordenada. Já havíamos passado do lugar correto, que era exatamente onde eu havia visto na internet.

Instalado num prédio antigo, bem no centro histórico da cidade, o hotel se assemelha mais a uma de nossas acolhedoras pousadas, e dele nada temos a reclamar. Sua localização foi o ponto alto, pois estávamos bem no meio de onde as coisas acontecem.

Florença se parece mais com a gente. Pequena, acolhedora. Uma mistura de Ouro Preto, Olinda, Parati e Jericoacoara. Igrejas, praças, palácios, pontes, sorvetes... Tudo muito gostoso e dentro de uma atmosfera de animação e cores.

Nesta tarde rodamos pela cidade em reconhecimento, privilegiando a visita à Catedral. Depois almoçamos num restaurante na praça cujo garçom falava português com fluência. Através dele conhecemos o dono do estabelecimento, que tem um filho casado com mineira de Uberlândia e reside no Brasil há quatro anos.




No dias que ficamos em Florença caminhamos para todos os lados. Saímos do centro histórico, entramos em quitandas, açougues, oficinas, vistamos antiquários. Para nós os destaques da cidade, além da Catedral, claro, são a Casa di Dante, a Ponte Vecchio e o Palácio Pitti.

No Palácio funcionam dois museus ($ 12,00 individual para cada museu). A construção é lindíssima, imponente. Por trás existe um grande parque, Jardins do Bóboli, com muitas alamedas e jardins. Na parte posterior do parque há o Museu da Porcelana (visitação franqueada ao público), que exibe peças antigas e raras. Mais um delírio para os olhos. Numa das pontas há o Forte de Belvedere, que não podemos visitar por estar em manutenção. Quando já estávamos de saída nos deparamos com um recanto cheio de estátuas imitando uma gruta ou algo assim. As imagens assemelham-se a formações de calcário que encontramos em cavernas. Belíssimo!!

Os sorvetes são um show à parte. Deliciosos, eles são expostos de maneira irresistível em vitrines geladas, numa combinação de formas e cores que saltam aos olhos. Os restaurantes também fazem seu papel, sempre com uma decoração de bom gosto e atrativos gastronômicos expostos.

Em Florença as atrações são muitas: praças, museus, palácios, igrejas, parques, lojas, restaurantes... Artistas expõem trabalhos nas ruas, corais ensaiam cantos em igrejas, exposições de arte se sucedem. Só mesmo indo para ver.

No domingo partimos para Roma de trem ($ 45,00 cada passagem) dando continuidade à nossa programação, numa viagem de 1 hora e 35 minutos.


Dia 27/03, domingo:

Chegamos à Roma ao meio dia, totalmente desnorteados. Da estação liguei para o hotel, que confirmou nossa reserva e deu algumas orientações. Pegamos um táxi (pela primeira vez), e em pouco tempo estávamos devidamente instalados. Ocorre que era domingo, e tudo estava fechado, deserto. Saímos caminhando em direção à Basílica de São Pedro, procurando pegar um ônibus. Mas era necessário antes comprar um bilhete, que é vendido em tabacarias. Como era domingo, todas estavam fechadas.

Continuamos caminhando. Paramos numa espécie de padaria/lanchonete e fizemos uma pausa para comer algo. Conversamos com a pessoa que nos atendeu, e ela deu algumas dicas, inclusive indicou que estávamos mais perto que longe da Basílica, então decidimos continuar para não perder o dia. Decisão sábia, pois a Basílica, além de lindíssima, é enorme e conta com várias opções de visitação.




Neste domingo visitamos a Basílica em si, a Tumba, que fica abaixo do piso e é onde estão sepultados papas e religiosos (a de João Paulo II é a mais reverenciada), e subimos até a cúpula, cuja primeira etapa é de elevador e a segunda uma seqüência de escadas com 322 degraus no total ($ 7,00 cada).

Voltamos ao hotel já à noitinha e cansados. Compramos queijos, pães e vinhos, e fizemos um pic-nic na suíte do hotel.


Dia 28/03, segunda-feira:




A segunda amanheceu chuvosa e fria. Tomamos o café no hotel (muito bem servido, aliás), e esperamos um pouco. As nuvens pesadas estavam baixas e o vento forte, e logo deu uma clareada. Retornamos à Basílica para concluir a visita. A Praça de São Pedro, apesar do frio e tempo duvidoso, estava lotada, com uma grande fila contornando-a toda pelo lado direito, passando de sua metade. A fila é para ordenarem o acesso e revistarem os visitantes. Algumas áreas interditadas no domingo estavam liberadas. Além disso, visitamos o museu da Basílica ($ 6,00 cada).

Na área da Basílica há um ponto de parada de ônibus turísticos. Optamos por apanhar um deles ($ 15,00 cada) para um city tour, e conhecer os pontos principais da cidade com menos tempo e caminhadas. O bilhete do ônibus permite que se desça num ponto, visite na calma e apanhe o próximo. Com tempo pode-se fazer todo o percurso parando em cada local e prosseguindo quando for conveniente, fazendo, assim, uma programação em ritmo próprio.

Paramos primeiramente na Fontana de Trevi, um monumento que impressiona pela realidade dos movimentos e força que impõe. Muito turistas: jovens, idosos, orientais, americanos... Havia até italianos. No entorno da Fontana há várias tratorias e osterias para lanches e refeições completas, além de lojinhas variadas. É um local bem agradável e aconchegante, movimentado e vibrante. Aproveitando uma dica que recebi, procurei um estúdio que grava a imagem das pessoas em três dimensões num cubo de vidro ($ 30,00). O trabalho é rápido e o resultado é excepcional. Uma ótima lembrança de viagem personalizada.




Da Fontana fomos ao Coliseu ($ 12,00), já no final da tarde. Aqui cometemos um erro por puro desconhecimento, pois o ingresso comprado dava direito a visitar também o Foro Romano, que fica bem ao lado. Além de não termos sido informados disso, o tempo não permitiria a visita, tendo sido preferível se tivéssemos priorizado a visita ao Coliseu em relação à Fontana, mas...

No Coliseu encontramos alguns brasileiros e um casal cearense, Vera e Carlos Alberto, que residem no Meireles e acompanharam-nos na visita. A construção é impressionante, ainda mais se levando em conta a época em que foi concebido e construído. É bom parar um pouco e contemplar o cenário, imaginando o agito ali nos dias de glória do Império Romano.




No retorno passamos na Praça Veneza, onde comemos alguma coisa enquanto a leve chuva que caía passava. Depois voltamos ao ponto de partida, jantamos comentando as andanças, mancadas e impressões do dia... E dando boas risadas também.


Dia 29/03, terça-feira:

Reservamos este dia para visitar o Museu do Vaticano, aonde chegamos por volta das 9:30. Fomos de metrô e aqui vai um comentário. O sistema de Roma é antigo, mal conservado e limitado. A limitação é compreensível, pois a cidade é repleta de tesouros da antiguidade, mas a má conservação não se justifica.

Na entrada do Vaticano também encontramos uma grande fila, porém organizada e sempre em movimento, com pessoas de todos os lugares, de todas as idades. O museu é bem variado, o prédio em si já é uma atração, e anda-se bastante em meio a uma multidão para se chegar à Capela Sistina, ponto alto da visitação.




Saímos do museu já à tarde e almoçamos num restaurante ali perto. A atendente era paulista. A dona também. Ainda pensamos em ir ao Foro Romano, mas desistimos, preferindo ficar mais na de tomar um vinho e bater papo num lugarzinho gostoso até chegar a hora de se recolher.


Dia 30/03, quarta-feira:

Iniciamos a viagem de retorno. Pegamos um trem de volta a Milão ($ 91,00 cada), num percurso de 3:30hs (partida às 11:15hs com chegada às 14:45hs). A viagem foi tranqüila e tivemos uma família americana como vizinhos até Florença. Como estávamos em assentos desencontrados pedi ao nosso parceiro de viagem para trocar de lugar falando meu bom inglês colegial: “I and my wife travell toghther. You se importa de trocar de lugar comigo?”. Obviamente a pergunta foi acompanhada por gestos, o que facilitou um pouco a compreensão. Lugares trocados, curtimos a viagem na boa.

Chegando em Milão, pegamos outro trem para Arona ($ 5,20 cada). Quando fui comprar os bilhetes havia um horário com partida quase imediata, e fiquei em dúvida se daria tempo de embarcar ou era melhor esperar o próximo. O funcionário que me atendia quis perder a paciência e tive, de novo, que lançar mão de meus conhecimentos lingüísticos para explicar-lhe: “We are brasilians tourists. I and my wyfe traveled by Italy on treno Trenitália. We going for Florence, Venzia, Roma, Arona e Milano. You tem que ter paciência com a gente!!” . Acabei optando pelo segundo horário, o que nos fez ficar por uma hora na estação, chegando a Arona ao fim da tarde. À noite fizemos um passeio pela cidade e jantamos no mesmo restaurante em que estivemos em nossa chegada.




31/03, quinta-feira:

Pegamos um trem rumo a Domodôssola ($ 3,90 cada). De lá pegamos outro, panorâmico, com destino a Locarno ($ 20,00 cada, incluída a volta), cidade situada no sul da Suíça, na extremidade norte do Lago Maggiore, o mesmo que banha Arona. O percurso é de quase duas horas por entre montanhas de cumes congelados e pequenas vilas. Uma paisagem lindíssima.


Em Locarno subimos a montanha Cardada, que fica a 1360 metros acima do nível do mar. A subida se dá em duas etapas: a primeira, num trenzinho ($ 5,50 cada incluindo a descida), e a segunda, de teleférico ($ 25,00 cada, incluindo a descida). Em cima da montanha há várias trilhas, cabanas para alugar e uma pista de esqui. A paisagem é lindíssima, com vista para o lago e para Arcona, que fica na outra margem do lago. Estávamos com o horário apertado, pois tínhamos que retornar a Domodôssola a tempo de pegar o último trem para Arona. Enquanto esperávamos o teleférico inocentemente no restaurante, vimo-lo, incrédulos, partir, silencioso, deslizando pelos cabos de aço... E outro só em mais meia hora. Mas tudo acabou dando certo, e chegamos bem.




À noite demos uma circulada na cidade, curtindo o friozinho gostoso. Mais algumas fotos, vitrines, sorvetes. Acabamos por encostar numa cantina, sendo atendidos por um cara muito simpático e conversador. A massa era muito gostosa, e tomei umas cervejas enquanto comia e papeava. Uma parada mais adiante, uma conversa fiada, e chegou a hora de nos recolhermos, afinal o dia foi bastante longo e proveitoso.


01/04, sexta-feira:

Amanhecemos a sexta com a sensação do dever cumprido. Começou aquela vontade grande de voltar para casa, para os filhos, a família, os amigos, o trabalho, os bares da vida. A essa altura a vontade de degustar uma picanha gorda e mal passada era enorme. Tomar umas canas e umas cervejas bem geladas (lá só as servem frias) tinha se transformado numa quase obsessão. Para aliviar, parei numa choperia artesanal e tomei uns tantos. Gimmy, o atendente, era simpático e comunicativo, e acabei experimentando todos os tipos de chope produzidos pela casa. Passamos o dia assim, beliscando uma guloseima aqui, tomando uma ali, batendo pernas.




No começo da tarde o Fábio chegou para nos “resgatar”. Sua companhia é ótima. Além disso, ele conhece bem a pequena cidade, pois há mais de dois anos fica hospedado lá quando vai a Milão. Quando pensávamos que iríamos somente cumprir tabela até a volta no sábado, eis que no fim da tarde uma grande feira começa a ser armada bem ao lado do hotel, no espaço que margeia o lago. Era uma feira de produtos europeus: doces, perfumes, artesanato, flores, queijos, defumados, porcelanas, vinhos, chopes, chocolates... Uma festa multicolorida. Em pouco tempo pessoas já transitavam entre uma barraca e outra. Para nós foi um achado ter toda a Europa ali, em poucos metros, bem vizinho à nossa casa provisória. Aproveitamos e demos uma prévia logo na sexta.

Mais tarde fomos jantar os três. O hotel no qual estávamos hospedados tem um restaurante na cobertura com vista noturna lidíssima. Ambiente animado, boa comida e atendimento. Um bom vinho para acompanhar e muito papo. Depois dormir.


02/04, sábado/domingo:

A feira tomou conta de nossa manhã. Compramos mais umas bobagens, algumas lembranças. Tomei uns chopes de marcas famosas. Não sei explicar porque, mas havia uma barraca de comidas da Argentina. Nunca pensei em ficar feliz ao ver argentinos, mas aqueles cortes de carnes na brasa... Almoçamos um bom e farto churrasco, coisa mais parecida com o que temos aqui.

Ao fim da tarde embarcamos no ônibus que nos levaria ao aeroporto de Milão. A viagem foi tranqüila e desembarcamos em Guarulhos às cinco da manhã do domingo, chegando em Fortaleza às 13 horas... Do aeroporto fomos direto para o Picanha do Miguel, onde tomei umas três cachaças e mais umas tantas cervejas com os filhos ao redor. Ô coisa boa é estar de volta à nossa terrinha!!



Altino Farias
altino.frs@gmail.com

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Mudanças



Voltei para a casa da mamãe. Não, não me separei. É que estou reformando meu apartamento, sendo impossível executar os serviços necessários residindo no local. Então fomos todos passar essa temporada na casa dela.

Toda mudança é dramática. Esta minha não fugiu à regra. Tivemos um trabalhão, pois acumulamos uma boa tranqueira durante os últimos vinte e dois anos. Além do mais, voltaremos ao ponto de partida cerca de dois ou três meses depois, quando a reforma estiver concluída. Será então a mudança da mudança.

Mas tudo tem seu lado divertido. A família estava toda em casa: eu, mulher, filha e filho. Cada um fazia a parte que lhe cabia. Ao selecionar objetos e documentos, deparei-me com preciosidades, algumas das quais julgava perdidas para sempre. À medida que encontrava algo inusitado, dizia em voz alta: “Achei meu cartão do CPF!!”, “Olhem meu certificado de alistamento militar!!”, “Encontrei a nota fiscal do nosso primeiro fogão!!”... E a cada anúncio todos corriam para ver o achado.

De estressante a mudança passou a ser uma curtição, pois todos entraram na brincadeira, divulgando em alto e bom som raridades encontradas escondidas pelo peso dos anos. Um celular tipo “tijolão”, um toca-fitas, notas fiscais de lojas que fecharam as portas há anos, um bichinho de pelúcia, cédulas de um dinheiro esquisito que um dia já havia sido dinheiro de verdade, roupas desaparecidas, relógios em desuso... Uma verdadeira volta ao passado.

Selecionamos somente objetos de uso imediato ou de valor para levar, o resto ficou aguardando nosso retorno. Mudamo-nos num domingo, sendo recebidos de braços abertos pela minha mãe, Dona Concita, em nossa casa que, pelos padrões de espaço atuais, é uma verdadeira mansão.

Em tudo a casa lembra papai, que a projetou e construiu. Muitos detalhes e acabamentos foram feitos por ele próprio, que costumava nos chamar sempre para participar de suas atividades. Assim, os quarenta e três anos de convivência que tenho com ela me levaram a uma segunda viagem de volta a outros tempos.

Fruteiras sombreiam o quintal, algumas das quais conheci ainda em estado de mudas, “bebês” de árvores. Outras vieram depois, e hoje várias gerações convivem em harmonia nesse privilegiado espaço, onde há também passáros em profusão e os mesmos encantos de antigamente.

Estou aqui pensando na mudança de volta ao apartamento renovado. Almas renovadas, documentos e objetos antigos reciclados e organizados, como que corrigindo a rota de nossas vidas. O passado presente, lembrando quem fomos um dia, fazendo-nos refletir sobre quem somos hoje e apontando para o amanhã.

E enquanto isso estiver acontecendo, Dona Concita estará onde sempre esteve, na já antiga mansão da família, portas abertas, braços abertos. Tanto ontem, como hoje, amanhã e sempre.


Altino Farias
altino.frs@gmail.com

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Meus Primeiros 50 Anos

Fiz muitos planos para comemorar meus primeiros cinqüenta anos, mas todos foram por terra. Da grande festa de aniversário, embalada com luz negra e músicas dos anos 60/70, ficou só a vontade, pois a data este ano ficou espremida entre o carnaval e uma viagem de férias.



De volta à terrinha depois de quinze dias me deleitando com as maravilhas da Itália, muito trabalho por fazer... E contas a pagar.



“Mas um bom texto sobre o evento ‘50 anos’ vou escrever e publicar no blog”, pensei. Compromissos, falta de inspiração, cachaçadas. Passou um dia, outro, e mais outro. Então veio a solenidade de instalação da Academia Cearense de Literatura e Jornalismo e tomou todos os espaços ocasionalmente livres. Assim já vou com cinqüenta anos e dois meses. Melhor deixar as tais comemorações para ano que vem. O bom texto também.



Porém, para a data não passar totalmente em branco, reproduzo um texto de Mário Coelho Pinto de Andrade, escritor e político angolano (1928-1990), que fala sobre “O valioso tempo dos maduros”. Espero que gostem.





O Valioso Tempo dos Maduros





Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora. Tenho muito mais passado do que futuro.



Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas. As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.



Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.



Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha. Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos. Detesto fazer acareação de desafectos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário-geral do coral.



'As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos'. Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa...



Sem muitas cerejas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, caminhar perto de coisas e pessoas de verdade.



O essencial faz a vida valer a pena. E para mim, basta o essencial!


Altino Farias
altino.frs@gmail.com