terça-feira, 29 de novembro de 2011

A Sombrinha Amarela



O dia amanheceu nublado, frio. Uma chuva fraca e intermitente teimava em atrapalhar o dia de quem tinha compromissos a dar conta, e ele saiu da cama querendo ficar mais um pouco. Tarefas inadiáveis o esperavam. “Um desperdício botar os pés na rua numa manhã dessas”, disse a si mesmo.

Ela, com mil pensamentos ocupando a mente, nem pensou duas vezes. Embora sua manhã fosse a mesma, acordou muito cedo, arrumou umas coisas em casa e saiu. Sombrinha amarela à mão, ignorava se chovia ou não, queria apenas se desvencilhar o mais depressa possível dos afazeres do dia, e voltar para o calor, a segurança e a quietude do lar.


Coincidência! Os caminhos de ambos se cruzaram em meio à multidão. Chovia mais intensamente, e seus rostos estavam molhados pelos respingos levados pelo vento. Seus sorrisos eram a alegria do inesperado encontro.

Um não sabia do outro há anos, e emoções fortes dominaram esse breve momento, que foi efêmero apenas em relação ao tempo de sua duração, pois somente eles poderiam saber da importância daquele instante. Ou talvez nem eles soubessem...

Depois ela se foi, embrenhando-se no meio de mil guarda chuvas pretos e prédios cinzentos com sua sombrinha amarela. Parecia apressada, ou pelos compromissos que ainda tinha a cumprir, ou para afastar-se rapidamente daquelas lembranças. Enquanto isso, ele a observava olhando por cima dos guarda chuvas, vendo aquela sombrinha amarela se agitando e distanciando, até que a multidão fosse maior que sentimento dos dois.

Arrependimento. Ele já havia experimentado esse sentimento antes, repetido agora. “Por que deixá-la ir assim?”, pensou para, num instante, concluir: “Mas o que poderia fazer?”.

Fez! Saiu andando com velocidade em direção à sombrinha amarela, agora longe e difícil de mirar. Correu. O que faria quando a alcançasse? O que diria? Não tinha a menor ideia. Talvez nem precisasse dizer nada, mas o fato é que a sombrinha amarela se perdeu debaixo de uma chuva já forte e intensa, entre mil guarda chuvas. Vê-la de novo? Quem sabe num dia qualquer, numa outra manhã fria e chuvosa... 


Pedro Atino Farias, em 29/11/2011

Um comentário:

  1. Muito realista, adorei! São os encontros e desencontros da vida.

    ResponderExcluir