terça-feira, 3 de setembro de 2013

Exasperado!




Exasperou-se. Conteve-se. Será que passa? Um dia, talvez...

O jogo de louça simples completado com peças descasadas de outros jogos; o quartinho abarrotado de tranqueira; horários corridos, loucos, sem razão de ser...

De novo exasperou-se. Novamente conteve-se. Duvidou que passasse um dia.

O carro sujo e necessitando reparos; a coluna que dói, mas não pode parar; o coração que dispara, mas não deve parar; os pulmões que respiram, ofegantes, na madrugada solitária e insone...

Acostumou-se, contido. Entendeu que nada mudaria.

Diz que vai, mas quase não chega; diz que chega, mas quase não vem; diz que sabe, mas não consegue enxergar.

Calou-se, contido, acostumado... Exasperado!



Pedro Altino Farias, em 14/05/2013 

ATENÇÃO:
os textos deste blog estão protegidos pela lei nº 9.610 de 19/02/1998. Não copie, reproduza ou publique sem mencionar os devidos créditos.