domingo, 15 de abril de 2012

Não Sobrou Um Segundo


Quando não resta um segundo sequer, a atitude e a vontade traduzem mil sentimentos, em todas as suas verdades e intensidades. (Altino Farias)


Não Sobrou Um Segundo


A notícia surpreendeu. Ficaram felizes. Muito felizes. Radiantes. A correria foi grande para prepararem tudo. Quase não deu tempo. A distância que se estabeleceria entre eles preocupava e doía, mas aquela chance não poderia ser perdida.

Recomendações, telefonemas, despedidas, esquecimentos últimos. “Será que ainda dá tempo?”, perguntou um. “Estamos em cima da hora!”, foi a resposta. Às vezes é melhor não arriscar. Prudência!

Desejariam correr mais ainda, mas o trânsito caótico frustra e desespera. Em certas ocasiões leis e regras viram pó diante de algo maior, mesmo que este “algo” seja uma necessidade ou interesse particular e imediato. Tudo o mais é automaticamente ignorado nessas circunstâncias.

Ela foi, ele ficou; separados pela geografia e a obrigação de uma oportunidade única. Na despedida não sobrou um segundo sequer para uma troca de beijos... Mas se beijaram mesmo assim. Um beijo inesquecível!


Pedro Altino Farias, em 11/04/2012
altino@pelosbaresdavida.com.br

ATENÇÃO:
Os textos deste blog estão protegidos pela lei nº 9.610 de 19/02/1998. Não copie, reproduza ou publique sem mencionar os devidos créditos
.

2 comentários:

  1. Pedro,o texto nos leva a uma leitura rápida,mas,muito e muito interessante.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é...
      Quando queremos algo verdadeiramente, sempre conseguimos um segundo a mais... Mesmo sem tê-lo.

      Pedro

      Excluir