quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Rolezinhos Pelos Bares da Vida

Era uma tarde de sábado, maio de 2009, quando uma ruidosa turma rodou por alguns bares da cidade num trenzinho, desses que levam crianças, levando a bordo uma banda de forró, que tocava entusiasmada sem parar, muita birita e animação sem fim. As camisas traziam o motivo da festa: “1/2 Maratona Etílica da Turma do Billy”.
TURMA DO BILLY: OS PRECUSSORES
Marcos Melo “Billy” foi o organizador do evento, que reuniu amigos dele nessa fantástica brincadeira. A repercussão foi grande, todo o povo dos bares deu conta do acontecimento. Um sucesso, tanto que nossa turma ficou querendo fazer algo similar e pediram-me, como editor do jornal virtual Pelos Bares da Vida e promotor dos nossos eventos, para organizar tudo. Eu, porém, não achei legal copiar uma idéia, repeti-la, simplesmente, e o tempo passou.

Em agosto de 2012 começou o julgamento do chamado “Mensalão” e novamente a idéia do “trenzinho do Billy” surgiu no formato de um protesto cidadão contra a corrupção, desfilando pelos bares que frequentamos ao som de marchinhas, frevos e sambas tradicionais de carnaval. Foram quase quatro horas de desfile pela cidade, com muita birita a bordo, animação e indignação com a corrupção instalada no país. A composição saiu do local que frequentávamos, na esquina da Rua Paula Ney com Vicente Leite, voltando ao mesmo ponto de partida ao final, depois de rodar por vários bairros de Fortaleza.

TURMA PRONTA PARA PARTIR





O tempo passou, mas a turma do PBV não esqueceu o trenzinho e seu irreverente desfile por nossas rua e avenidas. Em fins de 2013, jovens organizaram encontros pelas redes sociais, principalmente em shoppings da capital paulista e Grande São Paulo. Esses eventos ficaram conhecidos como “rolezinhos” e ganharam repercussão nacional. Então, na época do pre carnaval de 2014 me veio a ideia de comemorar a temporada pre momina com um novo desfile pela nossa capital no tal trenzinho e daí surgiu o “Rolezinho Pelos Bares da Vida”, um desfile por Fortaleza, saindo daquela mesma esquina, passando por mais de trinta bares tradicionais da cidade em quatro horas de roteiro com cinquenta foliões a bordo. Um sucesso!


 





 




No final de 2014 a turma já começou a perguntar: “E aí? Vai ter Rolezinho esse ano?”. Uma melhorada no roteiro, orçamento à mão e marquei a data do “Rolezinho Pelos Bares da Vida 2015”. Naquele ano, porém, reduzi a quantidade de participantes para quarenta visando mais conforto para todos. Para compensar, dois dias de desfile como forma de atender à grande demandade e percurso por mais de trinta e cinco bares tradicionais e dez bairros da cidade. A concentração, saída e retorno passou a ser na Embaixada da Cachaça, loja/bar que tenho com o sócio e amigo Attila Vasconcelos. O resultado? Sucesso!

Nesse ano havíamos lançado o nome de Laurinho Bezerra a Rei Momo, porém, ele teve que desistir de concorrer por motivos profissionais. Apoiamos, então, o nome de Fernando, o "Fininho". Ele participou do concurso, ficando em terceiro lugar. Com problemas de saúde em decorrência do diabetes, Fernando faleceu pouco tempo depois (na primeira foto).

  

 

 

  

 

 

 

Terminando 2015 a história se repetiu: “tu vais fazer o Rolezinho esse ano? Guarda meu lugar, viu?”, era o que ouvia de forma recorrente. Com o carnaval no começo de fevereiro, marquei os desfiles para os dois primeiros sábados de janeiro. O que estava marcado para o dia 9, que seria o primeiro grito de carnaval, teve de ser adiado para o dia 23 em virtude da forte chuva que caía naquela manhã. Daí em diante a torcida foi por Sol aos sábados. O roteiro sofreu mais algumas pequenas alterações para atingir um maior número de bares tradicionais em seu percurso, mais de quarente e cinco em cinco horas. No fim, tudo certo e mais um sucesso!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


O grande barato desse desfile, que de certa forma lembra os antigos corsos, é a interação com os donos dos bares, com o povo que passa pela rua e com os amigos que estão nos bares por onde passamos. Aproveitamos para saudar com carinho e alegria os donos dos bares, principalmente os mais idosos dos bares mais antigos. Eles merecem esse reconhecimento. O centro da cidade é um capítulo a parte. Ali a recepção é mais intensa, a energia flui franca e honestamente.

              

Aqui acolá, uma dificuldade para o trenzinho passar em algum trecho e uma pequena alteração no roteiro se fez necessária, fazendo-nos perder tempo, uma preocupação constante minha por conta do valor contratado com a empresa do veículo. Essa preocupação é maior nas paradas que fazemos durante o trajeto. A cada parada recomendo e aviso: “Apenas 10 minutos, senão não conseguiremos cumprir nosso objetivo!”. Apesar de serem quarenta participantes em estado de absoluto relaxamento e brincadeira, não tive problemas.


 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

Sem patrocínio e sem intenções de ter um resultado financeiro, faço os “Rolezinhos” com gosto e satisfação. Eles já fazem parte do calendário de eventos anuais do Pelos Bares da Vida, que conta também com o “Sábado do Pirata”, o Halloween e o aniversário do jornal dentre outros.

Finalizando, meu agradecimento pessoal aos participantes de todos os desfiles que já realizamos e, mais uma vez ao amigo Marcos Melo Billy, o inspirador dos Rolezinhos do PBV.


Pedro Altino Farias, em 01/02/2016 


2 comentários:

  1. Que venham muitos e muitos carnavais e brincadeiras saudáveis como esta... PARABÉNS.

    ResponderExcluir
  2. Foi Isso mesmo Altino. Excelente Relato. E faremos o Rolezinho do Pelos Bares da Vida até a Vida nos permitir. Abraço a todos que participaram de todos os Rolés. Renato Bellaguarda

    ResponderExcluir